Pernambuco Nação Cultural

Texto


Avançada

O ANDARILHO

Olhar opaco
Cabelo desmedido
O sorriso consumido
Pelo corpo fraco...
Tinha por teto
O manto implacável
Da noite insaciável;
Por alimento,
O frio indiscreto
Do oco secreto
Que ocupava o vazio estomacal.

Por vezes, o sal
Das lágrimas
Trazia à lembrança
O calor da infância
No abraço do pai
Ou no colo da mãe...

Mas a solidão
Não o deixava muito tempo
Junto com as boas recordações.
Rasgava logo seus pensamentos
Com a violência dos furacões!
E o assobio do vento gélido
Era a única canção que o acompanhava.

Dormir não conseguia.
Caminhar era preciso
Para afastar as ausências
Que tanto incomodava
O seu coração.
Enquanto caminhava, pensava:
“Um dia estarei nos braços de um novo amor!”

Baixar em formato PDF

Versão para impressão

O que achou deste texto?

Gostei

0 recomendações
1355 acessos

Neste espaço não serão permitidos comentários que contenham palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa. A equipe do portal Pernambuco Nação Cultural reserva-se o direito de apagar as mensagens.









Esse conteúdo foi criado e postado por:

Gilmar Pereira Lima

Autorizado por:
Fundarpe

em 05.06.2010 às 11h07


Tags

amor, vazio, solidão, coração, frio, lembrança

Direitos autorais:

  • Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil
  • Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil
  • Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil
  • Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil

Denunciar conteúdo impróprio

Lista completa


Conteúdo sob Licença Creative Commons